26 de jun de 2010

Sinos vão parar de soar

O juiz Marcelo Volpato de Souza, titular da 2ª Vara da Comarca de Porto União, julgou parcialmente procedente ação civil pública proposta pelo Ministério Público, para condenar a Comunidade Evangélica Luterana de Porto União e União da Vitória a proceder à devida adequação dos ruídos dos sinos de sua igreja, naquela cidade, aos limites previstos em instrução normativa da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Enquanto a igreja não se adequar aos patamares definidos - de segunda a sexta, 65 decibéis no período diurno e 60 decibéis no período noturno; aos sábados, domingos e feriados, 60 decibéis nos períodos diurno e noturno -, estará proibida de bimbalhar seus sinos na cidade, sob pena de multa de R$ 5 mil. Após o trânsito em julgado, determinou o juiz, a Comunidade Evangélica Luterana terá 30 dias para apresentar laudo técnico da aferição de ruídos com a comprovação da adequação exigida. A multa diária por atraso no cumprimento da medida será de R$ 1 mil.

A ação proposta pelo MP surgiu da constatação de que o dobrar dos sinos da igreja causa poluição sonora - eles soam diariamente às 7, 12 e 18 horas, e estão em desacordo com os níveis máximos de ruídos tolerados pelos homens. A igreja contestou o fato, e disse tratar-se de prática de mais de meio século, respeitada pelas mais diversas religiões e prezada pelas pessoas religiosas. O trabalho pericial, contudo, assinalou que o ruído alcança de 83 a 89 decibéis - bem além do limite legal. "O fato de o soar dos sinos fazer parte da tradição e cultura da igreja (...) não lhe dá o direito de usufruir desse bem imaterial de maneira ilimitada", anotou o juiz Volpato de Souza. Segundo ele, muitos são os exemplos que desmistificam esse pensamento: a discutida "farra do boi" e a tradição islâmica de mutilação da genitália feminina, entre outros. O magistrado admitiu, contudo, que a igreja, até o trânsito em julgado, pode badalar seus sinos diariamente entre 12 e 22 horas e, aos domingos, das 9 às 10 horas, apenas para marcar o início e o fim de seus cultos.

A notícia acima foi indicada pelo P. Renato, acompanhada de um comentário: "Hum, interessante, não?". E você, o que pensa sobre a ação e o badalar dos sinos?

23 de jun de 2010

A polêmica de Kaká

Ainda em ritmo de Copa do Mundo, vários jornais e sites de notícias aproveitaram a entrevista coletiva de Kaká, após sua expulsão no jogo do Brasil contra a Costa do Marfim, para suscitar um tema sempre polêmico: religião e futebol.


O fato é o seguinte: o jogador acusou Juca Kfouri, colunista da Folha de S. Paulo, de persegui-lo por motivos religiosos. O jornalista publicou, na semana passada, uma nota dizendo que o meia tem sérios problemas no púbis, tão graves que ameaçariam sua carreira. O recado de Kaká foi dado após uma pergunta de André Kfouri, repórter de uma emissora brasileira e filho de Juca.

"Há algum tempo, os canhões do teu pai têm me atingido, não para me criticar por motivos profissionais, mas por causa da minha fé em Jesus Cristo. Do mesmo jeito que eu respeito o Juca Kfouri como ateu, eu queria que ele me respeitasse por acreditar em Jesus Cristo. Milhões de pessoas acreditam em Jesus, e ele precisa respeitar isso".

Como resposta, Juca escreveu, na coluna publicada no dia 21/6, que Kaká desmentia, mas sofria dores por uma lesão e estava fazendo um sacrifício para permanecer na Copa. Em outro trecho, cita a expulsão do jogador como lamentável.

"Precisando ganhar ritmo, sua expulsão é de se lamentar, tanto que ele apanhou para reagir com duas carícias desnecessárias e avaliadas com excesso de rigor pelo árbitro francês: cartões amarelo e vermelho, e ele não irá enfrentar Portugal. O bom menino, disposto ao sacrifício que está fazendo para ter a sua Copa do Mundo inesquecível, não sabe ser mau, e nem deveria tentar, porque alguém castiga."

E você, o que pensa sobre isso?

22 de jun de 2010

Miséria debaixo do tapete?

Em tempos de Copa do Mundo, quando o futebol passa a ser o assunto mais importante, Henrique Goldman, cineasta paulistano radicado em Londres, escreve sobre como a África do Sul tenta esconder do mundo sua miséria (a coluna pode ser lida na Revista Trip). Vale a leitura e a reflexão:


"Tinha 9 anos, mas me lembro, como se fosse ontem, da cobertura ao vivo num tosco televisor preto e branco de marca Telefunken. A gloriosa seleção canarinho de 1970, depois de ganhar todos os jogos, voltava tricampeã do México. Minha família assistia, emocionada, ao presidente, o general Emílio Garrastazu Médici, receber a taça Jules Rimet das mãos do capitão Carlos Alberto. Com grande senso de mise-en-scène, o general se virou para a câmera e beijou o caneco, como se fosse seu.

Em vez de celebrar como todos, meu tio Bernardo, comunista de carteirinha, ficou num canto da sala, praguejando contra o futebol que alienava as massas e promovia a ditadura militar enquanto o povo era explorado e seus amigos, torturados.

Passados 40 anos e dez Copas, li no jornal The Guardian um artigo que certamente faria o tio Bernardo, que morreu de infarte durante a Copa da Itália em 90, gemer na cova. A Organização das Nações Unidas divulgou o ranking anual que qualifica os países segundo o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e reúne dados sobre nível de educação, expectativa e condições de vida. São 182 países na lista, e a África do Sul (que está torrando R$ 8,5 bilhões com a Copa) ocupa o 129º lugar - 19 posições abaixo da miserável Faixa de Gaza.

DESALOJADOS À FORÇA

A ridícula discrepância entre o PIB e o IDH faz dos anfitriões sul-africanos campeões mundiais absolutos da desigualdade social. Eles são também os campeões mundiais em mortes violentas per capita. Os dados são chocantes até mesmo para nós, brasileiros, tão acostumados com estatísticas absurdas: 42,9% da população sul-africana ganha menos de R$ 3,50 por dia. A expectativa média de vida é de 49 anos - 13 anos menos do que quando o país ainda vivia sob o manto brutal do apartheid. Para construir estádios e esconder do mundo a vergonhosa miséria, milhares de favelados foram desalojados à força em Johannesburgo e Pretória e jogados em miseráveis acampamentos provisórios.

O tio Bernardo, que Deus o tenha, era um puta de um mala. Era mal-humorado, tacanho e tinha mau hálito. Mas hoje lembrei dele com carinho, pensando que existia muita verdade no seu jeito pedante de olhar para o mundo. Isso tudo dá mesmo muita raiva. Mas seu engano foi querer estragar a festa, levando tudo e a si mesmo muito a sério, sem reconhecer que, durante a Copa, o futebol, apesar de todos os absurdos da humanidade, é a coisa mais importante."

21 de jun de 2010

A nova moda miuneira

Filipe e Cibele Ferrari são os modelos que estrelam a campanha primavera/verão - outono/inverno da MiUni. São peças para todos os gostos: camisetas tradicionais e baby looks brancas e pretas, com a logo estampada na frente e, no verso, o endereço do site (que infelizmente não aparece nas fotos porque os modelos tiveram crise de estrelismo, como podem perceber nas últimas fotos).

E aí, você já está acompanhando a tendência? Ainda não? Agilize! Últimas peças à venda, a preço de liquidação: apenas R$ 15 reais. Faça já o seu pedido e fique na moda - sem medo de errar!


15 de jun de 2010

Política secular e eclesiástica

Por: P. Renato Luiz Becker

Não faz um mês experimentamos mais uma Assembléia do Sínodo Norte Catarinense. Ela se deu no pátio, no templo da Paróquia da Paz. Penso que no futuro essa nossa Assembléia será lembrada como um dos momentos políticos mais marcantes da nossa História. Sim... se fez e se faz política. Que bom que se fez política.

Hoje, depois muitos anos novamente passei meus olhos sobre velhos textos que li em 1993: Feuerbach, Marx, Nietzsche e Freud. Parece mentira, mas o tema “religião” é novamente atual uma vez que se liga com o desejo de conforto e responsabilidade; com todos os medos de possíveis choques de cultura que possam provocar rupturas.

Pessoas cristãs que se engajam na política não aceitam os fatos simplesmente como fruto do destino, mas como uma oportunidade de “fazer a hora”; como um desafio para o fomento do desenvolvimento orientado. Quando permitimos que amadores ou agitadores pensem e decidam por nós, acabamos correndo grande risco no que tange à experimentação da paz.

Conheço políticos seculares e eclesiásticos atuantes na Igreja e no mundo. Eles nos ajudam a adquirirmos uma visão sóbria daquilo que é possível se manter de pé ali onde uns e outros inexperientes e desorientados só percebem abundância de problemas.

Tenho diante de mim um texto da grande filósofa judia Hanna Ahrendt onde se lê: "Política tem tudo a ver com amor ao próximo, com amor ao mundo". Sinceramente, agradeço a todas e a todos que se envolvem com política dentro da nossa CEJ, da nossa IECLB. Esse povo nos ajuda a caminhar por caminhos mais pensados, trabalhados, aplainados.

9 de jun de 2010

Bibliotecas virtuais

Uma matéria publicada no jornal A Notícia de hoje discorre sobre editoras de universidades e instituições públicas que estão se dedicando à criação de bibliotecas virtuais para oferecer livros pela internet. Enquanto se discute por aí se os e-books vão substituir os livros de papel, milhares de títulos estão disponíveis gratuitamente para dowload. Fica a critério de cada um a melhor maneira de lê-los.

Os sites mais expressivos até o momento são:

Já diria Monteiro Lobato: "Um país se faz com homens e livros".

7 de jun de 2010

Faber-Castell e Havaianas em prol do meio ambiente

Tudo bem que o Dia Mundial do Meio Ambiente já passou (foi no sábado, dia 5 de junho), mas nunca é tarde para citar bons exemplos em prol da natureza.

Dando uma zipada pela internet, achei no blog da jornalista Lilian Pacce a iniciativa de duas grandes marcas que convidam a cuidar da biodiversidade do planeta. Dá uma olhada:

A top Gisele Bündchen aparece linda e loira e te convida pra cuidar da biodiversidade do planeta. Tudo em vídeo – que pode ser visto aqui – da campanha de ação global WED 2010 (World Environment Day), do programa ambiental das Nações Unidas. E como nunca é demais, a top te lembra – ao lado de gente de todos os cantos do mundo – de ações pra comemorar o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Lápis eco da Faber-Castell e Havaianas comemorativas

A Faber-Castell guardou o lançamento pro dia especial: os EcoLápis Grip Wood, feitos em madeira Gmelina, 100% reflorestada. E a Havaianas comemora a longa parceria com o Instituto Ipê – que cuida de espécies em extinção da Mata Atlântica, Amazônia e Pantanal – e a mais recente, com a ONG Conservação Internacional, dedicada a projetos sócio-ambientais no litoral do Brasil, voltados à pesca sustentável, conservação da biodiversidade marinha e ecoturismo. Os novos modelos que você vê na foto têm 7% das vendas destinadas para cada uma das instituições.

Legal, né?

1 de jun de 2010

Brasil já tem logo para a Copa 2014

A Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil, já tem sua logomarca. O desenho, nas cores verde, amarelo é vermelho é inspirado na taça e foi aprovado por um grupo de notáveis que contava com Gisele Bündchen, Ivete Sangalo, Paulo Coelho, Ricardo Teixeira, Oscar Niemeyer e Hans Donner.


Apesar de não ter sido oficializada ainda, a logo não agradou aos torcedores brasileiros. Após as primeiras imagens começarem a circular na internet (ontem), muitos internautaus aproveitaram o Twitter para criticar a escolha.

E você, o que achou?